segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Marquês de La Fayette


Marie-Joseph Paul Yves Roch Gilbert du Motier, mais conhecido como Marquês de La Fayette nasceu em Auvergne a 6 de setembro. Foi um aristocrata francês famoso por sua participação na Guerra da Independência dos Estados Unidos da América e nos primórdios da Revolução Francesa.


Durante a Revolução Francesa dirigiu as forças militares que massacraram os trabalhadores de Paris em 17 de Julho de 1791, no Campo de Marte. Terão sido mortas cerca de 50 pessoas no primeiro dia e 400 pessoas nos dias seguintes, incluindo mulheres e crianças. O marquês de Lafayette, guerreiro da liberdade, mudou a história. Ajudou a derrotar os britânicos em Yorktown, garantindo a independência americana, e, na França, ajudou a derrubar dois reis e um imperador. Lafayette foi um campeão incansável dos direitos naturais e o principal autor da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. “Existem certos direitos naturais inerentes em toda sociedade dos quais nem uma, nem todas as nações poderiam com justiça privar um indivíduo”, insistia. Sustentava que esses direitos não estão “sujeitos à condição da nacionalidade”, e incluem “a liberdade de consciência e opinião, garantias judiciais, e o direito de ir e vir”. Promovia o livre comércio, além de lutar pela tolerância religiosa e pela liberdade de imprensa. Quando o governo francês atacou os imigrantes, ele abrigou vários deles em sua própria casa, e gastou muito de seu próprio dinheiro para ajudar a libertar escravos nas colônias francesas.



“Lafayette só teve uma causa durante sua longa vida: a liberdade humana. Jovem, arriscou sua vida na guerra e na revolução por ela. Na maturidade, vivendo sob a mal disfarçada ditadura de Napoleão, regime que detestava, recordo como tinha sido ferido, denunciado, condenado à morte, desprezado, preso, destituído e exilado - tudo a serviço da liberdade humana. Pobre, impotente, sem perspectivas à época, Lafayette perguntou: ‘Como amei a liberdade? Com o entusiasmo da religião, com o arrebatamento do amor, com a convicção da geometria - eis como eu sempre amei a liberdade.”

Stanley Idzerda, historiador

“Ele possui talentos militares incomuns, tem o pensamento rápido e certo, é perseverante, empreendedor e cuidadoso; além disso, tem o temperamento conciliador e perfeitamente sóbrio, qualidades que raramente se encontram na mesma pessoa.”

George Washington

Fontes utilizadas:

http://www.wikipedia.org
http://www.google.pt
http://www.ordemlivre.org


Carolina

1 comentário:

  1. Óptimo! Oportuno, boa síntese, o habitual cuidado com as fontes! FM

    ResponderEliminar